31.8.10

De cæteris et politica

Primeiro, avisar os nossos indulgentes lectores que criámos um índice para o blog com a lista alfabética de todas as setecentas e muitas mensagens aqui publicadas pelo Luís, já desde o tempo da vaidade e tudo. Também tendes à vossa disposição uma pequena aba traductora no canto superior direito do blog, que mostrará toda uma página na língua que preferirdes. Outra melhoria é a de poderdes imprimir os postais a partir do blog (função desactivada aquando da transição para o nada disto que é novo).

Arrumada a casa, passemos ao tema da política. O Apólogo de Jotão no Sagrado Livro dos Juízes ensina-nos que os melhores se acobardam de participar na liderança das nações, sendo esses lugares de destaque ocupados por quem menos merece. Não nos impressione portanto a escassez de governantes capazes, porque nada disto é exclusivo do nosso tempo:

Ierunt ligna,
ut ungerent super se regem,
dixeruntque olivæ:
“Impera nobis”.
Quæ respondit:
“Numquid possum deserere
pinguedinem meam,
qua et dii honorantur
et homines,
et venire, ut super ligna movear?”.

Dixeruntque ligna ad arborem ficum:
“Veni et super nos regnum accipe”.
Quæ respondit eis:
“Numquid possum deserere
dulcedinem meam
fructusque suavissimos et ire,
ut super cetera ligna movear?”.

Locuta quoque sunt ligna ad vitem:
“Veni et impera nobis”.
Quæ respondit:
“Numquid possum deserere
vinum meum,
quod lætificat deos et homines,
et super ligna cetera commoveri?”.

Dixeruntque omnia ligna
ad rhamnum:
“Veni et impera super nos”.
Quæ respondit eis:
“Si vere me regem vobis constituitis,
venite et sub mea umbra requiescite;
sin autem non vultis,
egrediatur ignis de rhamno
et devoret cedros Libani!”.
As árvores puseram-se a caminho
para ungirem um rei para si próprias.
Disseram, então, à oliveira:
"Reina sobre nós."
Disse-lhes a oliveira:
"Irei eu renunciar
ao meu óleo,
com que se honram os deuses
e os homens,
para me agitar por cima das árvores?"

As árvores disseram, depois, à figueira:
"Vem tu, então, reinar sobre nós."
Disse-lhes a figueira:
"Irei eu renunciar
à minha doçura
e aos meus bons frutos,
para me agitar sobre as árvores?"

Disseram, então, as árvores à videira:
"Vem tu reinar sobre nós."
Disse-lhes a videira:
"Irei eu renunciar
ao meu mosto,
que alegra os deuses e os homens,
para me agitar sobre as árvores?"

Então, todas as árvores disseram
ao espinheiro:
"Vem tu, reina tu sobre nós."
Disse o espinheiro às árvores:
"Se é de boa mente que me ungis rei sobre vós,
vinde, abrigai-vos à minha sombra;
mas, se não é assim,
sairá do espinheiro um fogo
que há-de devorar os cedros do Líbano!"




Na mesma linha escrepvia Guilherme Shakespeare, auctor que terá sido crypto-cathólico, um papista na clandestinidade inglesa. Leia-se a peça do Titus Andrónicus:

Enter Lauinia.
Laui. In peace and Honour, liue Lord Titus long,
My Noble Lord and Father, liue in Fame:
Loe at this Tombe my tributarie teares,
I render for my Bretherens Obsequies:
And at thy feete I kneele, with teares of ioy
Shed on the earth for thy returne to Rome.
O blesse me heere with thy victorious hand,
Whose Fortune Romes best Citizens applau'd

Ti. Kind Rome,
That hast thus louingly reseru'd
The Cordiall of mine age to glad my hart,
Lauinia liue, out-liue thy Fathers dayes:
And Fames eternall date for vertues praise

Marc. Long liue Lord Titus, my beloued brother,
Gracious Triumpher in the eyes of Rome

Tit. Thankes Gentle Tribune,
Noble brother Marcus

Mar. And welcome Nephews from succesfull wars,
You that suruiue and you that sleepe in Fame:
Faire Lords your Fortunes are all alike in all,
That in your Countries seruice drew your Swords.
But safer Triumph is this Funerall Pompe,
That hath aspir'd to Solons Happines,
And Triumphs ouer chaunce in honours bed.
Titus Andronicus, the people of Rome,
Whose friend in iustice thou hast euer bene,
Send thee by me their Tribune and their trust,
This Palliament of white and spotlesse Hue,
And name thee in Election for the Empire,
With these our late deceased Emperours Sonnes:
Be Candidatus then, and put it on,
And helpe to set a head on headlesse Rome

Tit. A better head her Glorious body fits,
Then his that shakes for age and feeblenesse:
What should I don this Robe and trouble you,
Be chosen with proclamations to day,
To morrow yeeld vp rule, resigne my life,
And set abroad new businesse for you all.
Rome I haue bene thy Souldier forty yeares,
And led my Countries strength successefully,
And buried one and twenty Valiant Sonnes,
Knighted in Field, slaine manfully in Armes,
In right and Seruice of their Noble Countrie:
Giue me a staffe of Honour for mine age,
But not a Scepter to controule the world,
Vpright he held it Lords, that held it last

Mar. Titus, thou shalt obtaine and aske the Emperie

Sat. Proud and ambitious Tribune can'st thou tell?
Titus. Patience Prince Saturninus

Sat. Romaines do me right.
Patricians draw your Swords, and sheath them not
Till Saturninus be Romes Emperour:
Andronicus would thou wert shipt to hell,
Rather then rob me of the peoples harts

Luc. Proud Saturnine, interrupter of the good
That Noble minded Titus meanes to thee

Tit. Content thee Prince, I will restore to thee
The peoples harts, and weane them from themselues

Bass. Andronicus, I do not flatter thee
But Honour thee, and will doe till I die:
My Faction if thou strengthen with thy Friend?
I will most thankefull be, and thankes to men
Of Noble mindes, is Honourable Meede

Tit. People of Rome, and Noble Tribunes heere,
I aske your voyces and your Suffrages,
Will you bestow them friendly on Andronicus?

Tribunes. To gratifie the good Andronicus,
And Gratulate his safe returne to Rome,
The people will accept whom he admits

Tit. Tribunes I thanke you, and this sure I make,
That you Create your Emperours eldest sonne,
Lord Saturnine, whose Vertues will I hope,
Reflect on Rome as Tytans Rayes on earth,
And ripen Iustice in this Common-weale:
Then if you will elect by my aduise,
Crowne him, and say: Long liue our Emperour

Mar. An. With Voyces and applause of euery sort,
Patricians and Plebeans we Create
Lord Saturninus Romes Great Emperour.
And say, Long liue our Emperour Saturnine.

A long Flourish till they come downe.

Satu. Titus Andronicus, for thy Fauours done,
To vs in our Election this day,
I giue thee thankes in part of thy Deserts,
And will with Deeds requite thy gentlenesse:
And for an Onset Titus to aduance
Thy Name, and Honorable Familie,
Lauinia will I make my Empresse,
Romes Royall Mistris, Mistris of my hart
And in the Sacred Pathan her espouse:
Tell me Andronicus doth this motion please thee?

Tit. It doth my worthy Lord, and in this match,
I hold me Highly Honoured of your Grace,
And heere in sight of Rome, to Saturnine,
King and Commander of our Common-weale,
The Wide-worlds Emperour, do I Consecrate,
My Sword, my Chariot, and my Prisoners,
Presents well Worthy Romes Imperiall Lord:
Receiue them then, the Tribute that I owe,
Mine Honours Ensignes humbled at my feete

Satu. Thankes Noble Titus, Father of my life,
How proud I am of thee, and of thy gifts
Rome shall record, and when I do forget
The least of these vnspeakable Deserts,
Romans forget your Fealtie to me

Tit. Now Madam are you prisoner to an Emperour,
To him that for your Honour and your State,
Will vse you Nobly and your followers

Satu. A goodly Lady, trust me of the Hue
That I would choose, were I to choose a new:
Cleere vp Faire Queene that cloudy countenance,
Though chance of warre
Hath wrought this change of cheere,
Thou com'st not to be made a scorne in Rome:
Princely shall be thy vsage euery way.
Rest on my word, and let not discontent
Daunt all your hopes: Madam he comforts you,
Can make you Greater then the Queene of Gothes?

Lauinia you are not displeas'd with this?
Lau. Not I my Lord, sith true Nobilitie,
Warrants these words in Princely curtesie

Sat. Thankes sweete Lauinia, Romans let vs goe:
Ransomlesse heere we set our Prisoners free,
Proclaime our Honors Lords with Trumpe and Drum

Bass. Lord Titus by your leaue, this Maid is mine

Tit. How sir? Are you in earnest then my Lord?
Bass. I Noble Titus, and resolu'd withall,
To doe my selfe this reason, and this right

Marc. Suum cuiquam, is our Romane Iustice,
This Prince in Iustice ceazeth but his owne

Luc. And that he will and shall, if Lucius liue

Tit. Traytors auant, where is the Emperours Guarde?
Treason my Lord, Lauinia is surpris'd

Sat. Surpris'd, by whom?

Bass. By him that iustly may
Beare his Betroth'd, from all the world away

Muti. Brothers helpe to conuey her hence away,
And with my Sword Ile keepe this doore safe

Tit. Follow my Lord, and Ile soone bring her backe

Mut. My Lord you passe not heere

Tit. What villaine Boy, bar'st me my way in Rome?
Mut. Helpe Lucius helpe. He kils him

Luc. My Lord you are vniust, and more then so,
In wrongfull quarrell, you haue slaine your son

Tit. Nor thou, nor he are any sonnes of mine,
My sonnes would neuer so dishonour me.
Traytor restore Lauinia to the Emperour

Luc. Dead if you will, but not to be his wife,
That is anothers lawfull promist Loue.
Enter aloft the Emperour with Tamora and her two sonnes, and Aaron the Moore.

Empe. No Titus, no, the Emperour needs her not,
Nor her, nor thee, nor any of thy stocke:
Ile trust by Leisure him that mocks me once.
Thee neuer: nor thy Trayterous haughty sonnes,
Confederates all, thus to dishonour me.
Was none in Rome to make a stale
But Saturnine? Full well Andronicus
Agree these Deeds, with that proud bragge of thine,
That said'st, I beg'd the Empire at thy hands

Tit. O monstrous, what reproachfull words are these?
Sat. But goe thy wayes, goe giue that changing peece,
To him that flourisht for her with his Sword:
A Valliant sonne in-law thou shalt enioy:
One, fit to bandy with thy lawlesse Sonnes,
To ruffle in the Common-wealth of Rome

Tit. These words are Razors to my wounded hart

Sat. And therefore louely Tamora Queene of Gothes,
That like the stately Thebe mong'st her Nimphs
Dost ouer-shine the Gallant'st Dames of Rome,
If thou be pleas'd with this my sodaine choyse,
Behold I choose thee Tamora for my Bride,
And will Create thee Empresse of Rome.
Speake Queene of Goths dost thou applau'd my choyse?
And heere I sweare by all the Romaine Gods,
Sith Priest and Holy-water are so neere,
And Tapers burne so bright, and euery thing
In readines for Hymeneus stand,
I will not resalute the streets of Rome,
Or clime my Pallace, till from forth this place,
I leade espous'd my Bride along with me

Tamo. And heere in sight of heauen to Rome I sweare,
If Saturnine aduance the Queen of Gothes,
Shee will a Hand-maid be to his desires,
A louing Nurse, a Mother to his youth

Satur. Ascend Faire Queene,
Panthean Lords, accompany
Your Noble Emperour and his louely Bride,
Sent by the heauens for Prince Saturnine,
Whose wisedome hath her Fortune Conquered,
There shall we Consummate our Spousall rites.

Exeunt omnes.

Tit. I am not bid to waite vpon this Bride:
Titus when wer't thou wont to walke alone,
Dishonoured thus and Challenged of wrongs?
Enter Marcus and Titus Sonnes.

Mar. O Titus see! O see what thou hast done!
In a bad quarrell, slaine a Vertuous sonne

Tit. No foolish Tribune, no: No sonne of mine,
Nor thou, nor these Confedrates in the deed,
That hath dishonoured all our Family,
Vnworthy brother, and vnworthy Sonnes

Luci. But let vs giue him buriall as becomes:
Giue Mutius buriall with our Bretheren

Tit. Traytors away, he rest's not in this Tombe:
This Monument fiue hundreth yeares hath stood,
Which I haue Sumptuously re-edified.
Heere none but Souldiers, and Romes Seruitors,
Repose in Fame: None basely slaine in braules,
Bury him where you can, he comes not heere

Mar. My Lord this is impiety in you,
My Nephew Mutius deeds do plead for him,
He must be buried with his bretheren

Titus two Sonnes speakes. And shall, or him we will accompany

Ti. And shall! What villaine was it spake that word?
Titus sonne speakes. He that would vouch'd it in any place but heere

Tit. What would you bury him in my despight?
Mar. No Noble Titus, but intreat of thee,
To pardon Mutius, and to bury him

Tit. Marcus, Euen thou hast stroke vpon my Crest,
And with these Boyes mine Honour thou hast wounded,
My foes I doe repute you euery one.
So trouble me no more, but get you gone

1.Sonne. He is not himselfe, let vs withdraw

2.Sonne. Not I tell Mutius bones be buried.

The Brother and the sonnes kneele.

Mar. Brother, for in that name doth nature plea'd

2.Sonne. Father, and in that name doth nature speake

Tit. Speake thou no more if all the rest will speede

Mar. Renowned Titus more then halfe my soule

Luc. Deare Father, soule and substance of vs all

Mar. Suffer thy brother Marcus to interre
His Noble Nephew heere in vertues nest,
That died in Honour and Lauinia's cause.
Thou art a Romaine, be not barbarous:
The Greekes vpon aduise did bury Aiax
That slew himselfe: And Laertes sonne,
Did graciously plead for his Funerals:
Let not young Mutius then that was thy ioy,
Be bar'd his entrance heere

Tit. Rise Marcus, rise,
The dismall'st day is this that ere I saw,
To be dishonored by my Sonnes in Rome:
Well, bury him, and bury me the next.
They put him in the Tombe.

Luc. There lie thy bones sweet Mutius with thy friends.
Till we with Trophees do adorne thy Tombe.

They all kneele and say.
No man shed teares for Noble Mutius,
He liues in Fame, that di'd in vertues cause.
(Entra Lavínia.)
LAVÍNIA - Em paz e honra viva o senhor Tito! Viva com glória meu senhor e pai!
Vê como a este sepulcro trago as minhas lágrimas tributárias, para os ritos fúnebres de meus manos, e com lágrimas de júbilo a teus pés ora me ajoelho, por haveres voltado. Oh! abençoa-me com tua mão guerreira, cuja sorte os melhores romanos enaltecem.

TITO - Ó boa Roma, que me preservaste com carinho o remédio da velhice, para alegria ao coração trazer-me! Que à glória de teu pai, e à senectude sobrevivas, Lavínia, com virtude.

MARCO - Viva bastante o mano, o senhor Tito, herói gracioso aos olhos dos romanos.

TITO - Agradecido, meu gentil tribuno, Marco, meu nobre irmão.

MARCO - Sede bem-vindos, também, sobrinhos, dessa feliz guerra; os que viveis e os que dormis na glória. Bravos senhores, sorte igual tivestes todos quantos os gládios empunhastes no serviço da pátria. Porém triunfo mais brilhante é toda esta pompa fúnebre que à dita de Solão deu cumprimento, vencendo o acaso neste leito de honra. Tito Andrônico, o povo da cidade, de que defensor leal sempre tu foste, por mim te envia, seu fiel tribuno, este pálio de brilho imaculado e te convida para concorreres à eleição para chefe do governo com os filhos de nosso último monarca. Sê candidato, pois; veste este manto e dá cabeça a Roma que, nesta hora, carece de cabeça.

TITO - A esse glorioso corpo melhor ficara uma cabeça que não tremesse de fraqueza e idade. Por que envergar a toga e incomodar-vos, ser, por aclamação, hoje escolhido, amanhã resignar o trono e a vida, e a todos aprestar novos trabalhos? Roma, fui teu soldado quarenta anos, conduzi com vantagem teus exércitos e enterrei vinte e um filhos valorosos; todos, no campo feitos cavaleiros, de armas na mão tombaram como bravos, a serviço de sua nobre pátria. Dai-me um bastão, honroso para um velho, não ceptro de comando para o mundo: soube empunhá-lo o que o empunhou por último.

MARCO - Tito, obterás o império, se o pedires.

SATURNINO - Orgulhoso tribuno, que disseste?

TITO - Príncipe Saturnino, ficai calmo.

SATURNINO - Romanos, sede justos; as espadas, patrícios, arrancai, sem que de novo as embainheis, enquanto Saturnino não ficar sendo imperador de Roma. Andrônico, antes para o inferno houvesses ido, do que a tal ponto me privares do coração do povo.

LÚCIO - Saturnino presunçoso, interrompes o magnânimo Tito no que de bom te destinasse.

TITO - Calma, príncipe; vou restituir-te o coração do povo, procurando de si mesmo aliená-lo.

BASSIANO - Não te adulo, Andrônico, mas te honro e hei-de fazê-lo enquanto vivo for. Se reforçares meu partido com teus amigos certos, agradecido te serei. Bem sabes que o reconhecimento, para as almas generosas, é nobre recompensa.

TITO - Povo de Roma, e vós, tribunos dignos, peço vosso sufrágio e vosso apoio. Para Andrônico os concedeis de grado?

TRIBUNOS - Para a Andrônico sermos agradáveis e celebrarmos seu feliz retorno, o povo aceitará seu candidato.

TITO - Tribunos, obrigado. Ora vos peço que seja eleito o filho primogênito do imperador defunto, Saturnino, cuja virtude, espero-o, sobre Roma há de lançar sua luz como na terra faz o Titã, deixando
sazonada nesta nossa repúblIca a justiça. Assim, se vos guiais por meus conselhos, coroai-o e a uma voz gritai comigo: "Que viva muito nosso imperador!"

MARCO - Com sinais de alegria os mais variados. patricios e plebeus, nós elegemos imperador de Roma Saturnino, gritando: "Viva muito Saturnino!"
(Prolongado toque de trombeta.)

SATURNINO - Tito Andrônico, pelo teu auxílio hoje em nossa eleição, como o mereces, os agradecimentos te apresento, prometendo pagar-te a gentileza por meio de atos claros. E de inicio, Tito, para exalçar tua família em tudo nobre, e tua própria fama, de Lavínia farei minha consorte, imperatriz de Roma, de meu peito dominadora, e no Panteão sagrado prometo desposá-la. Ouve Andrônico: essa moção te deixará contente?

TITO - Sim, meu digno senhor; com esse enlace considero-me honrado sumamente por Vossa Graça. À vista, assim, de Roma, a Saturnino, rei e comandante da república, imperador do mundo, consagro minha espada, o carro e todos os prisioneiros, dons em tudo dignos do senhor imperial da grande Roma. Recebe-os, pois, como tributos próprios; aos pés te ponho os meus troféus honrosos.

SATURNINO - Muito obrigado, muito, alto Andrônico, pai da minha existência. Quanto orgulho sinto por tua causa e teus presentes, Roma virá a saber; e caso eu venha em qualquer tempo a me esquecer da mínima parcela destes dons inestimáveis, romanos, retirai-me vosso apoio.

TITO (a Tamora) - Prisioneira, senhora, sois agora de nosso imperador, que, bem lembrado de vossa posição e dignidade, vos dará tratamento em tudo nobre e a vossos seguidores.

SATURNINO - Em verdade, que dama encantadora! uma beleza que eu escolhera, se tivesse ainda de escolher outra vez. Bela rainha, clareai esse semblante nebuloso. Conquanto os acidentes de uma guerra a alegria te tenham conturbado, não vieste para Roma a fim de que alvo possas servir do opróbrio, pois tratada serás como princesa em toda parte. Fia-te no que eu digo, não deixando que a tristeza te abata as esperanças. Senhora, quem vos diz essas palavras poderá vos deixar maior ainda que a rainha dos godos. Não vos causa desagrado, Lavínia, quanto eu disse?

LAVÍNIA - Não, senhor, pois uma real nobreza vos garante as palavras, é certeza.

SATURNINO - Doce Lavínia, muito agradecido. Vamos, romanos. Sem nenhum resgate, libertemos os presos. Nosso título proclamai com trombetas e tambores.
(Fanfarra. Saturnino, por mímica, faz a corte a Tamora.)

BASSIANO - Senhor Tito, com vossa permissão, esta donzela é minha.
(Apodera-se de Lavínia.)

TITO -- Como! Como!meu senhor! Por acaso falais sério?

BASSIANO - Sim, nobre Tito, e resolvido, ainda, a defender à força o meu direito.

MARCO - Suum cuique, é a justiça dos romanos; só reclama o que é dele nosso príncipe.

LÚCIO - E há de obtê-lo, se Lúcio tiver vida.

TITO - Traição! traição! Onde se encontra a guarda do imperador? Traição, senhor! Lavínia foi
surpreendida.

SATURNINO - Surpreendida, como? Por quem?

BASSIANO - Por quem agora arrebatara de todo o mundo a sua noiva cara.
(Saem Marco e Bassiano, com Lavínia.)

MÚCIO - Ajudai-nos, irmãos, a retirá-la; com meu gládio defendo esta saída.
(Saem Lúcio, Quinto e Márcio.)
TITO - Príncipe, ide em pós dela, que, de volta, vo-la trarei já já.

MÚCIO - Por este lado, senhor, não passareis.

TITO - Menino à-toa como! Queres barrar-me a estrada em Roma?
(Apunhala Múcio.)

MÚCIO - Socorro, Lúcio! Aqui.
(Morre.)

(Volta Lúcio.)
LÚCIO - Fostes injusto, meu senhor, mais do que isso, pois matastes numa querela injusta vosso filho.

TITO - Não, filhos meus não sois, nem vós nem ele. Nunca meus filhos me desonrariam por esse modo. Vamos, restitui Lavínia, biltre, ao nosso imperador.

LÚCIO - Morta, se o desejares, porém nunca para ser sua esposa, por achar-se prometida para outro.
(Sai.)

SATURNINO - Não, não, Tito, o imperador já não precisa dela, nem de ti, de ninguém de tua estirpe. Às cegas não confio em quem fez mofa de mim alguma vez; em ti tampouco, nem em teus filhos, falsos e insolentes, que se reuniram para desonrar-me. Tirante Saturnino, não havia quem em Roma servisse de brinquedo? Mui de acordo esses atos, Andrônico, estão com tua afirmativa tola de que eu pedi de tuas mãos o império.

TITO - Monstruoso! Que censura me assacaste?

SATURNINO - Prossegue assim em teu caminho; entrega essa mulher volúvel ao que a espada por ela manejou. Vais ter um genro muito valente, feito para aliar-se à malta de teus filhos turbulentos, que o alvoroto implantaram na república.

TITO - O coração ferido essas palavras me atingem como acúleos.

SATURNINO - Por tudo isso, soberana dos godos, admirável Tamora, que, tal como Febe augusta entre suas ninfas, na penumbra deixas as romanas mais belas e galantes: se concordares nesta minha súbita resolução, escolho-te, Tamora, para noiva, criando-te ora mesmo de Roma a imperatriz. Dize, rainha dos godos: não aplaudes minha escolha? E agora juro pelos nossos deuses, já que padre e água-benta temos perto, e os fachos brilham tanto, estando tudo pronto para o himeneu, que me é impossível rever de Roma as ruas ou de novo entrar em meu palácio, se comigo daqui não te levar como consorte.

TAMORA - E ante a face do céu a Roma eu juro que se elevar até ele Saturnino a rainha dos godos, ela escrava será de seus desejos, amorável ama e mãe para sua mocidade.

SATURNINO - Bela rainha, vamos ao Panteão. Acompanhai, senhores, vosso digno imperador e sua bela noiva, mandada pelo céu a Saturnino, que lhe dará futuro mais risoriho. Realizaremos Já o desposório.
(Saem todos, com excepção de Tito.)

TITO - Convite não me fez para o cortejo. Tito, quando ficaste tão sozinho, desonrado e de ultrajes
encurvado?
(Voltam Marco, Lúcio, Quinto e Márcio.)

MARCO - O Tito, Tito! Vê o que fizeste: numa disputa estúpida mataste um filho tão virtuoso!

TITO - Não, tribuno tolo, não é meu filho, como nada és para mim, nem tu nem nenhum desses que a ti se uniram para esse ato baixo que desonrou nossa família toda. Filhos indignos! Irmão és indigno!

LÚCIO - Mas deixai que o enterremos como cumpre: junto dos manos deponhamos Múcio.

TITO - Traidores, para trás! O corpo dele não será colocado no sepulcro. Já tem quinhentos anos este túmulo que eu mandei refazer com todo o esmero. Em honra aqui repousam tão-somente guerreiros e de
Roma defensores, não quem venha a morrer vilmente em rixas, Sepultai-o onde bem vos aprouver, que aqui não será posto.

MARCO - Isso é impiedade, senhor, de vossa parte. Os altos feitos de meu sobrinho Múcio muito o exaltam; tem de ser sepultado com seus manos.

QUINTO E MÁRCIO - Terá de sê-lo, ou então o seguiremos.

TITO - Terá de ser? Que biltre afirmou isso?

QUINTO - Quem o sustentará em toda parte, menos aqui.

TITO - Como! Estareis disposto, mesmo, a inumá-lo, embora a meu mau grado?

MARCO - Não, nobre Tito; mas te conjuramos a perdoar Múcio e dar-lhe sepultura.

TITO - Tu também, Marco, me assentaste um golpe e com esses rapazes me deixaste estraçalhado o nome. Considero-vos a todos inimigos. Assim sendo, cessai de importunar-me e parti logo.

MÁRCIO - Está fora de si, vamos embora.

QUINTO - Não me retirarei, enquanto os ossos não sepultar de Múcio.
(Marco e os filhos de Tito se ajoelham.)

MARCO - Irmão, implora em semelhante nome a natureza...

QUINTO - Pai, nesse nome a natureza faia...

TITO - Silêncio, para que eu os outros ouça.

MARCO - Grande Tito, metade de minha alma...

LÚCIO - Querido pai, substância de nós todos...

MARCO - Permite que teu mano Marco enterre neste ninho virtuoso seu sobrinho que com honra morreu e na defesa da causa de Lavínia. És um romano, não sejas bárbaro, que os próprios gregos, após conselho, deram sepultura a Ajaz que se matara, tendo o filho prudente de Laertes defendido com calma os funerais. Assim, não queiras excluir deste sepulcro o jovem Lúcio, teu filho predilecto até há momentos.

TITO - Marco, levanta-te. Este é o mais terrível dia que eu já vivi. Ser por meus filhos em Roma desonrado! Bem; enterra-o, e a mim logo depois.
(O corpo de Múcio é deposto no túmulo.)

LÚCIO - Querido Múcio, repousa aí, ao lado dos amigos, até que te enfeitemos o sepulcro.

TODOS (ajoelhando-se) - Ninguém derrame lágrimas no corpo do jovem Múcio, pois com glória vive quem morreu pela causa da virtude.


Por fim, a título pessoal e excepcional, quebro o acordo tácito de não se abordar a política portuguesa aqui no blog ― facto que muito prezo ―, e escolho meu candidato para as próximas eleições um patriota que respondeu ao apelo da sua consciência e que carece das assinaturas vossas e das de quem lhas pedirdes.

Nossa Senhora de Belém, rogai por nós.

3 comentários:

Luís Cardoso disse...

O que seria deste blogue sem ti, Francisco?

Francisco disse...

Em boa verdade, não seria muito diferente! um abraço!

Luís Cardoso disse...

Em boa verdade, não sei. Mas parece-me que o blogue beneficiou imenso com a tua participação, e a parte técnica é a menor delas, ainda que faça uma certa diferença.
Está mais cristão, pelo teu influxo directo e pela influência que teve em mim. Está, portanto, mais esperançoso: quando estava sozinho, o blogue estava num clima de grande pessimismo, cujo fundamento era evidente. Com a tua entrada, cruz às costas, entrou a esperança, porque não se pode fazer frente a uma ameaça de determinada natureza com armas de natureza distinta. O islão, no pouco que tem de espiritual e de religioso, tem que ser combatido com religião, com a verdadeira, já agora - arriscando ser prepotente, mas se achasse que não era verdadeira, não fazia sentido professá-la; e, para além disso, os islamitas não duvidam que a deles seja, pelo que vacilar na crença é uma fraqueza nossa.
Um abraço,