19.11.10

A suposta coascendência de Abraão

Os muçulmanos, em modo de taqiyya ou simplesmente ignorantes sobre a sua religião, e os não-muçulmanos, quase sempre ignorantes - das espécies de ignorância a mais perniciosa, porque se supõe informada -, falam de uma suposta coascendência espiritual abraânica entre islão, judaísmo e cristianismo. De acordo com essa tese, as três seriam religiões abraânicas e esta ascendência espiritual comum seria um ponto de contacto a explorar no sentido de chegar a um clima mais pacífico de convivência entre os fiéis das três religiões.

O problema é que a tese é falsa: o islão é descendente de Abraão mas de um modo bastante diferente do judaísmo e do cristianismo.
Quem expõe as diferenças brilhantemente é Jaques Ellul, de quem já falámos aqui, num livro onde aborda o que chama "os três pilares do conformismo", a saber, para além da referida suposta coascendência, que são três "religiões do livro" e três "religiões monoteístas".

Mas a entrada infra trata apenas da primeira questão (não a esgota) e não das outras.

Concluo concordando com Marisol: não vale a pena fazer aproximações baseadas em falsidades, ou seja, construir em solo arenoso. Acrescento que o ponto de contacto com os muçulmanos hão-de ser as suas qualidades humanas, enquanto não corrompidas pela religião que professam.
Amplify’d from www.jihadwatch.org
On Eid, Muslims around the world will commemorate Abraham's willingness to sacrifice his son, and distribute food to those less fortunate -- a reminder of the shared values and the common roots of three of the world's major religions.
Less informed Americans will read that and recall the account of Abraham's willingness to sacrifice Isaac, Abraham's son by Sarah and a Biblical patriarch of the Jewish people. On the other hand, in one of its efforts to demote Jews in its Islamic supremacist ordering of life, the universe, and everything, the Qur'an holds that the son in this account was not Isaac, but Ishmael. That's a rather significant jab at "the common roots of three of the world's major religions."
Does this mean Obama is a practicing Muslim behind the White House walls and the mask is slipping? No.
But it is noteworthy in that it is sloppy. If it is intentional, it is disingenuous. If it is unintentional, it is alarmingly bumbling. In either case, it is symptomatic of a policy based on a glossing over of differences, and on lofty but false assumptions of common values, and compatible ideals of human rights and dignity. And the rest of that paragraph only continues to demonstrate all of those issues.
Utterly ignoring Islam's teachings on the subjugation of women and non-Muslims, cruel and unusual punishments prescribed in the Qur'an, the death penalty for apostasy, and other abuses that hold many Muslim societies in arrested development and threaten human rights in the West does not make those teachings go away. Nor does it do away with the widespread human suffering caused by them.
Wishful thinking is an alarming basis for policy, whether economic, diplomatic, or for national security. And as the old military adage cautions: "Hope is not a method."
Read more at www.jihadwatch.org

1 comentário:

FireHead disse...

Obviamente que o islão não é abraâmico. O islão foi criado por Maomé que até se aproveitou do deus (da lua) mais adorado na Arábia pré-islâmica, o Alá, para fazer dele o deus único da sua seita enquanto que adoptou hábitos pagãos árabes como a veneração da pedra negra (meteorito) e o incorporou na mesma linhagem do Judaísmo e do Cristianismo, com certeza porque teve contacto com esses povos e os estudou.
Advogam os muçulmanos que Ismael terá estado na origem do islão. Ismael terá dado, foi, origem à etnia árabe, que é outra coisa.
O islão é todo ele uma farsa e o pior é que é uma crescente farsa que traz ódio, estupidez e violência.