21.2.11

Santiago do Cacém: Igreja matriz em destaque em França

Ou muito me engano (espero bem que sim) ou não tardará muito a que alguma organização de defesa dos emigrantes ou das minorias religiosas não-cristãs, ou alguma organização de historiadores progressistas em nome da memória histórica venha a exigir a alteração do brasão da cidade de Santiago do Cacém, por islamófoba, por incitamento à violência racial (sim, racial) e sabe Deus mais o quê, que a imaginação desta gente vai muito além do que o meu pessimismo consegue prever:



Amplify’d from www.agencia.ecclesia.pt
Beja, 21 Fev (Ecclesia) – A igreja matriz de Santiago do Cacém, no litoral alentejano, surgiu em destaque na edição de Janeiro de 2011 da revista de cultura e religião «France Catholique», num artigo dedicado ao tema «Santiago Mata-mouros».
A publicação refere, em particular, o alto-relevo de «Santiago combatendo os Mouros» da igreja matriz, incluindo duas fotografias desta peça e, ainda, a reprodução do brasão da cidade de Santiago do Cacém, distrito de Setúbal e diocese de Beja.
José António Falcão, director do Departamento do Património Histórico e Artístico da diocese de Beja, registou “com grande satisfação que tenha sido dado o maior destaque a Santiago do Cacém, cidade já reconhecida pelas instituições francesas como uma referência no Caminho de Santiago”.
“É uma verdadeira vitória para Santiago e para a sua importância histórica a nível mundial", acrescenta, em nota enviada à Agência ECCLESIA.
A diocese tem procurado promover a integração do Alentejo no contexto do Caminho de Santiago, que os peregrinos percorrem até ao santuário galego de Compostela (noroeste espanhol), e chamar a atenção para o centro histórico de Santiago do Cacém, considerado pelos especialistas de grande relevância monumental.
Read more at www.agencia.ecclesia.pt

1 comentário:

FireHead disse...

Antes de irem para aí, pode ser que a bandeira nacional já não tenha as quinas com os besantes e os sete castelos que D. Afonso Henriques conquistou aos mouros.
Nem sei como é que os portugueses ateus, agnósticos e não-cristãos ainda não se lembraram de barafustar contra a bandeira deste estado laico.